Cooperativa Regional Itaipu - Cooperitaipu: Setor de rações no país cresce 5% no semestre

topo

(49) 3366 6500
Av. Brasília, 3300 - Pinhalzinho/SC

Notícias

Cooperitaipu: Setor de rações no país cresce 5% no semestre

O primeiro semestre de 2020 fechou positivo para o setor de alimentação animal. Segundo o balanço divulgado pelo Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) a produção no período foi de 37,2 milhões de toneladas, um avanço de 5,2% em relação ao mesmo período do ano passado. Até o final do ano a expectativa é de crescer 4,5%, chegando a 81 milhões de toneladas, quando somado à produção de sal mineral.

O segmento que mais avançou na produção foi o de frangos de corte, com produção de 17,5 milhões de toneladas, alta de 5% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Na sequência vem os suínos com 8,4 milhões de toneladas, avanço de 4,5%. Para os bovinos a produção total foi de 5,1 milhões de toneladas, sendo 2,8 milhões de toneladas para bovinos de leite e 2,3 milhões de toneladas para os de corte. Equinos 300 mil toneladas. Os números refletem o bom momento das duas proteínas animais.

A Cooperativa Regional Itaipu também atua no segmento de rações. Às margens do BR 282, no município de Pinhalzinho, a planta industrial de rações suínas e bovinas produz cerca de 20 mil toneladas por mês, possuindo estrutura moderna com equipamentos de última geração e laboratório próprio para análise da qualidade, que é uma preocupação constante. Como exemplo, o último investimento foi um Sistema de pré mistura de todos os aminoácidos, minerais e outros ingredientes que serão usados na formulação das rações, baixando custos e garantindo eficiência.

Mas se o primeiro semestre foi para comemorar, as perspectivas para o segundo já passam por diversos fatores acontecidos nos últimos meses, como: aumento da carga tributária, o encarecimento das formulações nutricionais em virtude do aumento das principais matérias primas (milho e Farelo) e os impactos no bolso do consumidor final ao longo da pandemia. Fernando Francisco Rohr, Gerente de Indústria e Logística da Cooperitaipu, nos traz um panorama da produção e comercialização de rações nesta reta final de 2020 e a expectativa para 2021.

A produção segue em ritmo acelerado nas fábricas devido ao aumento de demanda, motivada pelo incremento na produção de suínos e os bons preços do leite e da arroba do gado de corte”, destaca.

Rohr afirma que a produção de leite e carne da nossa região vem crescendo a cada ano, embalada pelos investimentos na melhoraria de produtividade dos rebanhos. “Isso tem levado os produtores a buscarem alternativas com maior nível tecnológico em máquinas, equipamentos, reprodução, genética, instalações e nutrição”.

O gerente explica que em relação a nutrição, a Cooperitaipu criou formulações com a inclusão de matérias primas de alto teor proteico e energético, além de aminoácidos, minerais, vitaminas e ingredientes com alto nível tecnológico agregado.

Rações concentradas podem suprir a baixa produção de pasto

Estamos enfrentando agora uma forte estiagem que está limitando a produção de alguns alimentos produzidos nas propriedades, como silagem, feno e pré–secado.

Segundo Fernando Rohr, os produtores também estão aumentando o descarte de animais, aproveitando os bons preços pagos pela arroba do gado para abate, e prevenindo-se de uma possível falta de alimento nas propriedades, gerando com isso uma redução na produção leiteira, podendo pressionar os preços para cima.

Com esse cenário descrito, as rações poderão vir a suprir parte dessa demanda nutricional dos rebanhos, mantendo a produtividade e a lucratividade das propriedades”, finaliza ele.